ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO NA INFÂNCIA, ATRASA O CRESCIMENTO, A CRIANÇA GERALMENTE É MAIS ESTREITA, OCORRE A DIMINUIÇÃO DA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA.

A deficiência de hormônio de crescimento (DGH) com início na infância é freqüentemente percebida como causadora da baixa densidade mineral óssea, fraturas e osteoporose. Limitações inerentes às técnicas atuais de imagem óssea têm causado muitos artefatos e equívocos sobre a densidade mineral óssea e da estrutura óssea. A densidade cortical, a densidade trabecular e o volume trabecular são normais quando medidos por tomografia computadorizada quantitativa periférica e histomorfometria (histomorfometria óssea é a técnica de biópsia óssea que permite quantificar a remodelação e as estruturas ósseas). A deficiência de hormônio de crescimento (DGH) verificáveis ​​afeta a espessura da camada cortical óssea (expansão periosteal-camada externa), tanto em estudos humanos e animais. No entanto, os ossos dos membros curtos não dão as previsões de medidas corretas prejudicando a avaliação de deficiência de hormônio de crescimento (DGH). Além disso, o hormônio de crescimento (GH) e o IGF-1 (fator de crescimento da insulina) têm indiscutíveis ações anabólicas (reações anabólicas, ou reações de síntese, são reações químicas que produzem nova matéria orgânica nos seres vivos) não só no osso, mas também no tecido muscular. De fato, em comparação com todas as outras variáveis ​​relacionadas ao osso, o tamanho do músculo é a menor no momento do diagnóstico de DGH. Durante a terapia de GH, o aumento muscular precede e excede qualquer ganho de massa óssea. A teoria sugere que na musculação a deficiência induzida de hormônio de crescimento (DGH-induzida) altera a força muscular, causando secundariamente uma baixa espessura cortical. Não há evidências de que o DGH isolado no início da infância, ou a resistência grave ao GH, causa um risco aumentado de fraturas em crianças ou adultos. Apenas adultos com hipopituitarismo (mau funcionamento da glândula pituitária) orgânico parecem ter um risco ligeiramente maior de fraturas. Utilizando as diretrizes de transição em curso, as crianças e adultos com pouca DGH estão em risco de serem diagnosticadas com baixa massa óssea e pode, conseqüentemente, receber um tratamento inadequado. A DGH não deve ser incluída como uma causa de osteoporose em crianças. O impacto da deficiência de hormônio de crescimento (DGH) na infância sobre a saúde óssea tem atraído inúmeras publicações na literatura científica nos últimos 20 anos.Há uma percepção de que DGH em uma criança pode levar à densidade mineral óssea anormal e fraturas e a DGH é frequentemente incluída como uma causa de osteoporose secundária em crianças. O objetivo desta avaliação é revisar criticamente as evidências atuais sobre a estrutura óssea, densidade mineral óssea e fraturas em crianças com DGH. O hormônio de crescimento (GH) provoca alongamento ósseo durante a infância e a adolescência por estimulação das placas de crescimento. No entanto, o crescimento ósseo é um processo tridimensional com comprimento e largura óssea, tais ossos naturalmente crescerão na proporção um para o outro. Até o momento, avaliações em crianças com DGH têm avaliado estes processos separadamente. Em crianças em crescimento, com DGH, é razoável supor que ambos os processos devem ser igualmente comprometidos, levando a uma criança proporcionalmente menor com os ossos mais curtos, e proporcionalmente mais estreita. O crescimento em espessura óssea (expansão periosteal) e resistência óssea também são uma função das forças que agem sobre os ossos, que são em sua maioria exercida pelo músculo, sendo regulada por si conhecidos efeitos anabólicos do GH e IGF-1. Medidas estruturais de seção transversal de um osso longo em crianças com DGH, portanto, requerem ajustes para comprimento do osso e, se possível, para o tamanho muscular. 
AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM 20611
Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM 28930 
Como Saber Mais:
1. A deficiência de hormônio de crescimento (DGH) com início na infância é freqüentemente percebida como causadora da baixa densidade mineral óssea, fraturas e osteoporose…
http://crescermais2.blogspot.com
2. Não há evidências de que o DGH isolado no início da infância, ou a resistência grave ao GH, causa um risco aumentado de fraturas em crianças ou adultos… 
http://crescersim.blogspot.com
3. O crescimento ósseo é um processo tridimensional com comprimento e largura óssea, tais ossos naturalmente crescerão na proporção um para o outro… 
http://deficienciacrescimento.blogspot.com 
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. 
Referências Bibliográficas:
Prof.Dr. João Santos Caio Jr, endocrinologista,neuroendocrinologista, Dra Henriqueta Verlangieri Caio, endocrinologista,medicina interna-Van Der Häägen Brazil – São Paulo –Brasil, Bachrach, LK & Ward, LM (2009) Revisão clínica 1:. Bisfosfonato uso em osteoporose na infância The Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism , 94, 400-409. Rauch, F. O crescimento ósseo (2005) em comprimento e largura: o Yin eo Yang da estabilidade óssea.Journal of Musculoskeletal Interações & Neuronal , 5, 194-201. Baim, S., Binkley, N., Bilezikian, JP et al . (2008) posições oficiais da Sociedade Internacional de Densitometria Clínica e resumo executivo da conferência de 2007 de desenvolvimento ISCD posição. Jornal de Densitometria Clínica , 11, 75-91. Schoenau, E., Neu, CM, Beck, B. et al . (2002) o conteúdo mineral ósseo por área muscular transversal como um índice da unidade músculo-osso funcional. Journal of Bone Mineral e Pesquisa , 17, 1095-1101. Högler, W., Briody, J., Woodhead, HJ et al . (2003) Importância da massa magra na interpretação da densitometria de corpo total em crianças e adolescentes. The Journal of Pediatrics , 143, 81-88. Crabtree, NJ, Kibirige, MS, Fordham, JN et al . (2004) A relação entre massa corporal magra e conteúdo mineral ósseo na área da saúde pediátrica e doenças. Osso , 35, 965-972.
Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj 121/122
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com
Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/
Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br
Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=
-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=
UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17
About these ads
Esse post foi publicado em CRESCIMENTO. Bookmark o link permanente.